A Essência da Amizade

Todos sabemos que nos identificamos mais com umas pessoas do que com outras…todos temos preferências distintas…familias diferentes…ideais que se cruzam ou não…mas na amizade pode ser tudo diferente ou tudo igual, pois o que deve reinar é o respeito, a cumplicidade, a aceitação e não o julgamento, a cobrança ou a inveja!

Talvez por isso existam amizades que duram uma vida e outras que nascem, florescem e secam como se de uma flor se tratassem! Mas, sim, concordo que as relações são frágeis e merecem todo o cuidado, mas também acredito, que sendo verdadeiras, possam sofrer alguns abanões ou ventos fortes e que consigam sobreviver a estas intempéries.

E é tão bom, quando temos amizades de décadas, que começam porque vivemos próximas, porque fazemos parte dos mesmos grupos de trabalho, porque ambas gostávamos de estudar na praia, porque a nossa vida era muito mais do que a faculdade…mas passado tanto tempo, com famílias constituídas, com situações profissionais inicialmente idênticas e depois tão diferentes, não vivendo tão próximas, a amizade mantém-se, cresce e é tão valorizada!

Mesmo não falando todos os dias, não é circunstancial e vive de bons momentos, de gargalhadas conjuntas, de lamentações idênticas (estas bem leves), de almoços à beira mar (porque há tradições que não mudam :-))!

E como estes almoços dão vida e cor a esses dias!

Não há cobranças, não há amuos, não há competições, há sim alegria e gratidão quando a outra cresce e atinge os seus objetivos!

E é tão bom e feliz, uma amizade assim, à medida da correria que são as nossas vidas, em que a preocupação major é a conciliação de agendas, para que aquelas várias horas em que estamos juntas e partilhamos as nossas experiências, sejam o mais agradáveis possíveis e a essência desta amizade!

Continuemos assim Carol!!

Anúncios

Cheirinho Bom – Eu na Cozinha #5

Já tenho partilhado por aqui o gosto crescente pela cozinha, por novos ingredientes, outros paladares…e esse prazer que tenho vindo a descobrir é partilhado também pela minha mãe que é uma cozinheira de mão cheia e que não se inibe de inventar novos pratos ou de fazer mix de várias receitas, dando-lhes outra vida!

A receita que partilho hoje, foi confeccionada por Si…!!! Mousse de Banana, uma verdadeira bomba de calorias, mas muito saborosa e simples de fazer e se for esporádica ninguém se importa!!

4 bananas maduras
1 lata de leite condensado cru
400 ml de natas em chantili com 4 colheres de sopa de acucar
1 limao e folhas de hortela .

1.Triturar as bananas (bem maduras) com o sumo de limão

2. Juntar o leite condensado, as natas, as folhas de hortela trituradas e as raspas de limao

3. Envolver tudo e colocar numa taça

4. Levar ao frio 4 a 5 horas ou de um dia para o outro.

5. Servir bem fresco .

Bom apetite!!

Queridas Manhãs – SIC

Foi com surpresa que recebi o convite para ir ao Queridas Manhãs da SIC, para partilhar a minha experiência como mãe e blogger com as noites mal dormidas por medos dos mais pequenos.

O meu primeiro pensamento foi “acho que não vou aceitar” porque tenho vergonha, porque vou estar nervosa, porque vou sair da minha zona de conforto….porque, porque, porque…

Na verdade, fiquei surpreendida, mas também agradada com o convite, pois existem milhentos blogs de maternidade e a jornalista ter gostado do meu e ter feito o convite, fiquei lisonjeada!

Porquê não ir? Não sou nada de fugir a desafios…de alguma forma, seria um reconhecimento ao blog que tanto gozo me dá… Decidi ir!!!

http://sic.sapo.pt/Programas/queridasmanhas/queridasmanhas_lista/2018-06-28-Consultorio-Parental—28-de-Junho

E ainda bem!!! Foi um desafio superado!! Não me engasguei, não atropelei as palavras, foi uma experiência diferente e falei de forma segura e assertiva!! Quem diria que as noites mal dormidas retratadas no blog dariam uma ida à televisão?

Os fantasmas existem?

Todos sabemos que o imaginário infantil é muito fértil e que ter medo faz parte da condição humana. Não são só as crianças que desenvolvem medos, existem adultos também com medos de insectos, das alturas e são só alguns exemplos.

Nas crianças os seus medos estão mais associados ao escuro, aos monstros, aos fantasmas (estes mais em idade pré-escolar) mas também relacionados com a morte, a separação, o rapto…

Cá por casa, comecei agora a ouvir falar de fantasmas…basta um desenho animado, um filme, um desenho ou mesmo uma conversa com um amiguinho para que este medo se torne real e é tão fácil construir estes medos, que depois têm que ser “desmontados” com alguma tranquilidade!

No caso do T, foi um amiguinho que disse que existem fantasmas em todas as casas! Há noites estes receios acentuam-se… Como temos lidado com isso?

Como já vos disse aqui, a rotina do deitar está perfeitamente instituída, o que não quer dizer que não se acorde à noite com pesadelos ou terrores nocturnos (este assunto fica para outro post) e no caso do T isso pouco acontece.

1. Temos conversado durante o dia sobre os medos, como é normal ter medo

2. Os fantasmas não existem, tal como os monstros ou como o nariz do Pinóquio, que só cresce nas histórias e contos

3. Não temos luz de presença, que por vezes facilita as sombras e aguça ainda mais a imaginação (mas para algumas crianças poderá ser importante)

4. Nunca menosprezo ou desvalorizo as conversas de fantasmas ou medos e explico que devemos verbalizar o que sentimos para que não se quebre a relação de confiança e segurança que existe e também para que não se sinta ridicularizado ou patético

5. Mantemos um boneco na cama, para que seja um elemento tranquilizador e securizante

6. Sempre que o T se levanta da cama, para vir para a nossa, explico calmamente que o vou acompanhar à cama dele e que pode dormir tranquilo (tento que só pernoitem na nossa cama, eventualmente em situações de doença, adoro o aconchego dos seus corpos e o seu cheirinho quando estamos enroscados no sofá a ver um filme ou a contar uma história, mas na nossa cama a dormir não)

7. Dorme de porta aberta, de alguma forma, percebe que está mais próximo de nós

8. Não ando a espreitar debaixo da cama ou dentro das gavetas e roupeiros, à procura dos monstros e fantasmas, se não existem não faz sentido…

9. Mantemos o dia de filho único que já falei aqui e aqui, temos essa possibilidade, pois os meus pais estão sempre desejosos de estar com os netos e sinto que nos faz bem estes dias de atenção totalmente direccionada ao T.

Na verdade, eles vão ter que lidar com vários medos, receios e até frustrações ao longo da vida e o lema aqui é trabalhar a autonomia e segurança emocional a par da física.

Um dia vai ser assim…

Tenho andado desaparecida…não que não me lembre todos os dias de quanto gosto deste espaço, mas porque este Inverno e agora Primavera têm sido ricos em viroses!

Quem me conhece sabe, que sou muito racional, observadora, ponderada…não vejo isto como qualidades, aliás dependendo dos momentos e situações, pode até ser um entrave, mas adiante…

Nos ultimos tempos, tenho-me cruzado com algumas pessoas que toda a vida conheci ou com quem me cruzei, mas que nunca observava na realidade…pessoas que, quando eu era uma garota, tinham talvez a minha idade atual e respiravam vida, energia, liberdade, agilidade, jovialidade…hoje quando nos cruzamos, percebo que o tempo passou por elas, que existem algumas limitações, que a sua pele reflecte anos de sabedoria, trabalho, responsabilidade…

Mulheres bonitas, elegantes, activas, bem maquilhadas, hoje igualmente bonitas com as suas rugas e alguns quilos a mais 🙂

Homens de porte atletico, altos e gentis, hoje com corpos mais esguios e sem o mesmo encanto 🙂

O tempo de que todos nos queixamos de não ter e que corremos atrás é mesmo precioso e deve ser aproveitado ao máximo…e na verdade , vivemos nos dias de hoje, acorrentados pelo tempo, a pensar no futuro, muitas vezes não aproveitando na totalidade o presente…

Tenho pensado imenso nesta ampulheta do tempo…Um dia vai ser assim…

Esta foto foi retirada da internet.